Títulos do Tesouro Direto

Tempo de leitura: 6 minutos

Os títulos do Tesouro Direto são as melhores opções para quem quer deixar a poupança de lado sem perder a segurança de um bom investimento e ainda ter um rendimento mais amplo.

O nome “Tesouro Direto” pode até assustar, mas qualquer pessoa que tenha 30 reais guardados pode fazer parte desse investimento, emprestando esse dinheiro para o governo e sendo remunerado futuramente por isso.

Por questão de segurança, é extremamente necessário entrar em contato com um banco para saber e conhecer todos os detalhes e dar início a intermediação dessa negociação. Um bancário ou corretor serão as pessoas indicadas para explicar com calma as vantagens e desvantagens dos diversos títulos do Tesouro Direto (público).

Mas no artigo de hoje podemos dar uma adiantada nesse assunto e identificar quais títulos do Tesouro Direto estão de acordo com os seus objetivos. Vamos lá?

Quais são os Títulos do Tesouro Direto?

Existem títulos do Tesouro Direto para diferentes objetivos, essa é a grande vantagem em relação a uma simples poupança.

O Tesouro pode se tornar um investimento para quem está pensando no futuro, como mais dinheiro para desfrutar a aposentadoria, por exemplo, ou por quem está com planos em curto prazo, comprar um carro daqui dois anos, dar entrada em um apartamento em quatro anos e assim por diante.

É por essa razão que cada um dos títulos possui a sua data de vencimento, hoje em dia pode variar entre o ano de 2019 e 2050. Mas caso queira resgatar o seu dinheiro antes que a data de validade seja alcançada, você pode recomprar o seu título ou até vendê-lo na hora que quiser.

Veja as opções de Títulos do Tesouro Direto

Com correção da Selic

Quando o título é indexado à Selic ele se torna um pós-fixado, significa que você escolhe o quanto quer render, mas só vai ter certeza que o dinheiro foi alcançado no dia do vencimento ou na data que for resgatar.

Isso ocorre porque o dinheiro rende com uma taxa que será pré-definida por você assim que comprar o título mais a possível variação da Selic (conhecida como a taxa básica dos juros).

Esse título normalmente é indicado para quem não tem certeza de quando precisará resgatar o investimento, porque no mercado ele possui baixa inconstância.

Com correção do IPCA

Assim como os títulos do Tesouro Direto acima, os fixados ao ICPA são pós-fixados também, só que esses rendem a taxa escolhida na hora da compra mais a mudança da inflação, contada pelo IPCA.

A grande vantagem desse título em relação aos outros títulos do Tesouro Direto, é que enquanto seu dinheiro estiver aplicado ele tem proteção em relação à inflação, ou seja, não importa se a inflação cai ou sobe, a rentabilidade do seu título estará sempre à frente disso.

Por essa razão, ele é o mais indicado para os objetivos em longo prazo.

Correção do IPCA com juros semestrais

Esse é um título pós-fixado ligado à inflação, a diferença dele para os outros títulos do Tesouro Direto é que ele é devolvido a quem investiu semestralmente e não só quando o prazo de validade é alcançado.

E a cada seis meses, quando o pagamento é realizado, existe um desconto de Imposto de Renda. Por isso, ele é indicado para as pessoas que realmente precisam ter a renda em mãos de tempo em tempo. 

Prefixado

Quando se investe em um título prefixado é possível saber exatamente o que receberá ao final. Porque ele não tem ligação à inflação ou a Selic, diferente dos outros títulos do Tesouro Direto.

Para o lado do Governo, esse é o melhor título a ser vendido, porque ele já tem certeza de quando terá que pagar ao investidor no futuro, mas para a população é bem arriscado. Por isso, os títulos prefixados são indicados para as pessoas que já sabem o que querem comprar e que tenham certeza do preço.

São mais adequados para os momentos em que a economia não está sofrendo muitas alterações, e que as taxas de juros e inflação estejam baixas.

Prefixado com juros semestrais

É bem parecido com o título Prefixado, só que obviamente o seu rendimento é devolvido ao investidor semestralmente.

Como as variações de taxas de juros podem afetar os Títulos do Tesouro Direto?

Dependendo do título escolhido (explicados acima) ele sofrerá alterações de acordo com as variações das taxas de juros, isso tudo com relação ao preço que foi negociado pelo investidor.

Então quando há quedas no mercado, o rendimento do investidor cai. E quando há valorizações do título, o rendimento do investidor aumenta. É assim também que ocorre com os fundos de investimento.

Mas vale ressaltar que caso você mantenha os seus títulos até o dia do vencimento, todo o valor combinado no momento da negociação será entregue, independentemente das variações que podem acontecer durante a aplicação.  

Já quando o tempo da venda é antecipado, o Tesouro Público recompra o investimento de acordo com o seu atual valor no mercado. Por isso, que o retorno para o investidor pode ser diferente do acordado durante a negociação, tudo isso depende do momento em que decidirá vender o título e dos seus valores.

títulos do tesouro direto

Investir em títulos do Tesouro Direto é seguro?

Não existe nada nesse mundo que seja 100% seguro, mas no mundo dos negócios, o Tesouro Direto aparece entre as aplicações financeiras mais seguras, principalmente quando comparada a conhecida poupança.

Aplicar no Tesouro Direto é ter menos riscos de perder ou não ganhar o combinado, do que qualquer outra aplicação que vêm sendo oferecida pelo mercado financeiro hoje em dia. Parece besteira, mas os especialistas sempre lembram que é mais fácil um Banco Privado (onde fica a poupança) dar um “calote” no seu cliente, do que o Governo.

Mesmo hoje, com o país em situação delicada economicamente falando, com tantos problemas diretamente ligados a conta pública, os Títulos do Tesouro Direto são menos do que 1% de toda a dívida do governo. É um valor bem baixo!

Então investir no Tesouro Direto é sim uma boa, só é necessário escolher bem a opção correta.