Quais as diferenças de cada título?

Tempo de leitura: 6 minutos

O Tesouro Direto pode ser uma boa solução para quem deseja negociar títulos públicos a pessoas físicas por meio da internet. Com ele os pequenos investidores conseguem ter uma boa opção que combina o baixo custo com toda a segurança necessária. Mas dentro de todo esse processo quais as diferenças de cada título?

É muito importante que essa pergunta seja respondida antes de você pensar em investir no Tesouro Direto. Isso porque cada um dos títulos pode ajudar o investidor a entender qual é a forma de investimento que mais vai encaixar com sua vida e suas necessidades, já que cada uma delas entra de uma forma diferente nesse mercado.

Para as pessoas que desejam esse caminho, o Tesouro Direto ainda facilitou tudo, criando um Orientador Financeiro dentro do próprio site, ele é uma ferramenta que auxilia na escolha de qual título a pessoa deve investir.

Para isso é necessário que o investidor em potencial responda algumas perguntas, para assim ser conduzido a opções de investimento que mais se enquadrem com seus objetivos financeiros de futuro e mostre também quais são os riscos que pode correr com esses títulos.

E se você está pensando em entrar nesse mercado, é importante saber que a quantidade mínima de compra é a fração de 0,01 título, ou seja, tudo isso será 1% do valor de um título, desde que respeitado o valor mínimo de 30 reais. Assim o investidor tem a possibilidade de comprar 0,01 título, 0,03 título e assim por diante.

O investimento ainda traz muitas vantagens para quem está pensando em entrar nesse mercado, algumas como: total segurança, alta rentabilidade, liquidez, muita acessibilidade, facilidade e uma grande flexibilidade.

Além de tudo bem claro, de toda a ajuda que o novo e o antigo investidor recebem do próprio Tesouro Direto que tem um sistema para auxiliar em qualquer dúvida que surgir durante todo o processo.

diferenças de cada título

Como saber as diferenças de cada título?

Por esse motivo, é muito importante, antes de tudo, entender como funcionam as diferenças de títulos, crie um planejamento antes de realizar todo o investimento, pense no que eles podem significar para a sua renda e como vão a complementar, tudo isso acaba sendo muito importante.

Nesse processo, vai ser possível encontrar dois tipos de títulos que são considerados os mais populares entre as pessoas físicas. Entre esses, você consegue ver algumas divisões que acabam tendo pequenas diferenciações.

O primeiro deles é o Tesouro Prefixado, que tem como diferenças de cada título a rentabilidade definida, prefixada, no momento em que a compra é realizada. Ele pode possuir uma taxa predefinida no momento em que a compra é feita.

Isso significa que ao adquirir um Tesouro Prefixado, o investidor já sabe, na hora, qual será a sua taxa de juros pagos no final do período da aplicação, isso faz com que essas diferenças de cada título sejam indicadas, principalmente, quando os juros estiverem altos.

Nesses casos pode acontecer também de que aconteça um recuo, fazendo com que o investidor, de certa forma, trave a rentabilidade com a Selic elevada, e, depois, mesmo que ela caia, vai receber aquela maior no fim do investimento.

As diferenças de cada título também acabam entrando no Tesouro Prefixado, que consegue possuir fluxo de pagamento simples, ou seja, você recebe o valor investido que será acrescentado do ganho no período de vencer ou resgatar um título, o que significa que o pagamento ocorre de uma vez só e apenas no final da aplicação.

Isso faz com que seja melhor esperar receber o dinheiro até o final do período do investimento, sendo assim, indicado para pessoas que não precisam dele para complementar a sua renda desde o começo.

Ainda dentro das diferenças de cada título é possível encontrar o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais, entre todos os outros, esse acaba sendo mais indicado para pessoas que desejam utilizar os seus rendimentos para complementar à renda a partir do momento da aplicação, isso porque é justamente um título que faz pagamento de juros a cada seis meses.

Assim, o rendimento é embolsado pelo investidor durante o período da aplicação, o que não acontece no título Tesouro Prefixado. Com isso os pagamentos semestrais vão representar uma antecipação de rentabilidade. Também é importante destacar que no pagamento desses rendimentos acontece uma incidência de impostos de renda.

Nessa categoria, ainda existem os títulos Pós-fixados. Eles funcionam com uma taxa básica de juros, Selic, ou através da inflação, dessa forma, toda a rentabilidade de uma aplicação é ajeitada por uma taxa predefinida na hora da compra de cada um dos títulos, mas a variação de um indexador.

Nessa modalidade para as diferenças de cada título está o Tesouro Selic, título que possui rentabilidade no final do período. Isso faz com que ela dependa da variação da taxa básica de juros. Por exemplo, se a Selic por um acaso subir, a tendência é que a remuneração seja maior, assim como o contrário.

Então é indicado, em caso de expectativa, que a porcentagem de juros aumente ou fique em um patamar elevado, fazendo com que a remuneração também tenha atratividade. Esse título é bem indicado para pessoas que não acompanham o mercado e podem precisar resgatar o dinheiro a qualquer momento.

Entre as diferenças de cada título também existe o Tesouro IPCA + (NTN-B), esse é um título com rentabilidade vinculada à variação do IPCA, Índice de Preços ao Consumidor Amplo, que busca medir a inflação do país, acrescida de juros.

Ele tem uma ideia parecida com o Tesouro Selic, em relação ao investimento. Isso porque o investidor que compra um título não sabe exatamente qual vai ser a sua remuneração no final do período de legitimidade do título, já que o ganho é baseado no IPCA, índice que varia todos os meses.

Por esse motivo ele acaba sendo o mais indicado quando existe uma grande expectativa de que a inflação vá aumentar, assim como o investidor não busca apenas proteger seu patrimônio, mas também tenta ganhar algum tipo de poder aquisitivo em todos esses trâmites.